sábado, maio 29, 2010

Vergílio Ferreira...

“Amor de Perdição” de Camilo Castelo-Branco, “Aparição” de Vergílio Ferreira, “Dom Casmurro” de Machado Assis, “O Delfim” de José Cardoso Pires, “Esteiros” de Soeiro Pereira Gomes, “Memorial do Convento” de José Saramago”, “Os Maias” de Eça de Queiroz, “A Sibila” de Agustina Bessa-Luís, “Sinais de Fogo” de Jorge de Sena e “Terra Sonâmbula” de Mia Couto são os 10 romances eleitos.

A escolha foi efectuada por um júri constituído por escritores e por docentes da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, que elegeu uma dezena como os romances mais representativos da literatura de língua portuguesa, de entre as 30 obras mais votadas por docentes, estudantes e funcionários da Universidade. Depois da votação de docentes, funcionários e estudantes da Universidade de Coimbra, um júri escolheu, de entre as 30 obras mais votadas, a lista dos “10 mais” romances da literatura portuguesa.

Numa primeira fase do concurso “10 Paixões em Forma de Romance”, que foi promovido pela Imprensa da Universidade de Coimbra, todos os membros da comunidade universitária puderam designar os três romances que mais gostaram de ler.

Depois de apurados os 30 romances mais votados, o júri composto pela vice-reitora da Universidade de Coimbra, Cristina Robalo Cordeiro, pelos escritores José Luís Peixoto e João Tordo, pelos professores da FLUC José Cardoso Bernardes (coordenador do Centro de Literatura Portuguesa da FLUC), Maria Aparecida Ribeiro (docente de Literatura Brasileira) e José Luís Pires Laranjeira (docente de Literatura Africana) e presidido pelo director da Imprensa da Universidade, João Gouveia Monteiro, reuniu dia 20 para eleger os “10 mais”.

Para chegar a esta lista final, o júri teve em conta a diversidade e representatividade de diferentes épocas, correntes, geografia e géneros, bem como a expressão da vontade dos votantes.

O objectivo deste concurso foi tomar esta escolha como um pretexto para falar de livros e de boa literatura, na sequência de outras iniciativas levadas a cabo pela Imprensa da Universidade de Coimbra. Ao longo do ano lectivo 2010/2011, a Imprensa da Universidade de Coimbra, em parceria com a Biblioteca Geral e o Centro de Literatura Portuguesa da FLUC, irá promover diversos eventos sobre as 10 obras vencedoras, nomeadamente exposições e tertúlias.


(via De Rerum Natura)



Vergílio Ferreira iria comover-se com isto... eu comovi-me!

2 comentários:

Méon, disse...

Sim, Vergílio Ferreira foi o grande escritor português do século XX!
A merecer o Nobel, bem mais do que o outro...
Faltou-lhe militância política, limitou-se a fazer comentários de treinador de bancada com a sua "Conta-corrente"...

Rui disse...

Às vezes tenho a tentação de pensar que a militância política é incompatível com a inteligência, com a integridade e com a sensibilidade.
Mesmo tendo conhecimento de um Gandhi (que, perante a acusação de que seria um santo armado em político, respondeu que era, isso sim, um político armado em santo). Mas também Gandhi não escreveu as belas páginas que Vergílio escreveu...
Obrigado pelo seu comentário!