sexta-feira, outubro 28, 2016

Como se faz um assalto ao poder

Para quem quer ter um poder sem controlo e não tem escrúpulos, o processo é mais ou menos este:

1º, cria-se uma vida de completa insegurança nas pessoas (no trabalho, na saúde, na educação, etc).

2º, separam-se as pessoas umas das outras, fisicamente (por exemplo, obrigando a mais horas longe da família e da sua comunidade) ou através de mecanismos de competição.

3º, isto diminuirá as capacidades refletivas das pessoas, pois o seu cérebro fica cada vez mais em modo permanente de ameaça (o cérebro, para isto, tem um repertório curto de respostas: fuga, luta, paralisação ou submissão).

4º, favorecem-se aquelas respostas básicas, oferecendo alvos fáceis, de preferência as pessoas que, pelas suas diferenças, é fácil colocar na categoria de "outgroups" (e nunca, nunca os verdadeiros responsáveis pela situação, isto é, aqueles que sempre tiveram o poder de orientar as coisas à sua vontade).

5º, aumenta-se a necessidade de as pessoas voltarem a sentir-se seguras.

6º, oferece-se uma liderança forte e com respostas básicas, que será recebida com alívio.

Neste processo, vê-se a importância extraordinária dos meios de comunicação, nomeadamente dos tablóides.

domingo, outubro 23, 2016

O documentário "Amanhã", sobre pessoas que arranjaram soluções que não só protegem o planeta, como ainda tornam a sociedade mais cuidadora uns dos outros.


O que pudemos aprender com os exemplos mostrados no filme:


Primeiro, temos de querer verdadeiramente melhorar a sociedade e não apenas beneficiar-nos a nós mesmos. Em particular, desejarmos criar contextos sustentáveis de bem-estar para todos.


Segundo, procurarmos garantir a cooperação de um maior número de pessoas. Sozinhos, não vamos longe.

Terceiro, há que adquirir conhecimento teórico e prático. A ignorância pode acrescentar novos problemas e agravar os já existentes. Mas também podemos juntar-nos a quem sabe realmente.

Quarto, partirmos daqui para mudar os nossos comportamentos, desencadeando ações que conduzam às mudanças desejadas.

Quinto e por último, reforçarmos positivamente estas iniciativas de mudança, premiando-as com a nossa atenção, com os nossas apreciações, com a nossa participação e, claro, com as nossas compras.


segunda-feira, outubro 17, 2016

Como conseguir que as pessoas sejam mais pró-sociais?

Criando ambientes onde a pró-sociabilidade seja bem acolhida, desenvolvida e consolidada.

Quem o pode fazer? As famílias, escolas, freguesias, câmaras, movimentos juvenis, organizações não governamentais e comunidades locais têm a capacidade de promover valores e comportamentos pró-sociais, recorrendo a iniciativas grupais, leituras partilhadas, ações de solidariedade, fornecendo modelos, histórias e o reconhecimento daqueles que mais colaborarem.

Porque as pessoas aprendem mais rapidamente novos comportamentos se os efeitos positivos destes se fizerem sentir com rapidez e profundidade.

Portanto, há que proceder àquele reconhecimento sendo generosos a apreciar aqueles gestos, a dar-lhes atenção, a mostrar interesse e aprovação, a elogiá-los, a dar-lhes visibilidade pública, a mostrar o nosso reconhecimento, o nosso afeto; e até a recompensá-los!

Mas, cuidado! Que isso não seja um instrumento para manipular as pessoas para fazerem o que o poder quer que elas façam. As pessoas dão-se conta e o processo pode ficar sabotado durante anos.

Saliente-se que o efeito que mais poder exerce sobre as ações das pessoas é a atenção que lhes pudermos dar. Porque só a partir da atenção que lhes é prestada é que habitualmente todos os benefícios lhes chegam. Desde que nascemos que tudo o que recebemos dos outros começa sempre pela atenção que conseguimos que nos prestem.

Outro efeito poderoso é a satisfação que vem com a realização da própria ação. Daí que a pró-sociabilidade não se deva impor decretando o que as pessoas têm de fazer. Elas escolhem de acordo com os seus gostos e as suas inclinações, a fim de ser a realização da própria atividade a lhes trazer satisfação.

Deste modo, iremos vendo a pró-sociabilidade a expandir-se em círculos cada vez mais alargados. 

E a mudar de forma mais construtiva e solidária os fundamentos do mundo em que vivemos.

quarta-feira, outubro 12, 2016

O que promove a resiliência e a estabilidade dos grupos humanos?

A pró-sociabilidade.

Quando falamos deste construto, estamos a incluir não só comportamentos, mas também atitudes e valores, todos em conjunto a contribuírem para o benefício das pessoas. Por exemplo, cooperarmos com os outros, velarmos pelo seu bem-estar, sacrificarmo-nos por eles, etc. De forma também a promovermos o nosso crescimento pessoal.

Grupos que incluem maioritariamente pessoas com estas características sobrevivem aos grupos com indivíduos egoístas. Como dizia David Sloan Wilson, na sua célebre fórmula: "Selfishness beats altruism within groups. Altruistic groups beat selfish groups. Everything else is commentary"

Os grupos beneficiam assim da existência destas pessoas mais altruístas. Mas estas tmbém obtêm benefícios pessoais por procederem desta maneira, confirmados por abundante investigação: têm mais e melhores amigos, têm menos problemas comportamentais, obtêm melhores resultados académicos e são mais saudáveis.

Mas porque é que caímos muitas vezes na competição? Será que ela não é natural no ser humano? É. É e já se revelou útil no passado. Nomeadamente, quando os recursos eram muito escassos e existiam outros grupos a competir por esses mesmos recursos. Mas, dentro do grupo, o fator de sobrevivência mais determinante era e sempre foi a cooperação.

Há algo que temos de estar atentos. Hoje em dia, a formação e manutenção de ambientes de competição ou de cooperação está bem para lá do raio de ação dos que ocupam os lugares baixos e intermédios da organização. Assim, a evidência científica mostra que a responsabilidade pelo que acontece nas organizações a este nível não deve ser assacada aos trabalhadores; fazê-lo de nada serve para mudar o estado de coisas. Os problemas nas organizações são, na sua maioria, criados por quem tem o poder de as modelar, isto é, as chefias; não pelos subordinados.

Todos se tornam mais pró-sociais quando vivem em ambientes que estimulam valores, interesses e competências pró-sociais. Estas competências têm a sua origem quando nos interrogamos se estamos a contribuir para a segurança e sustentação dos ambientes que permitam às pessoas o seu desenvolvimento confortável e positivo. E não para aumentar artificialmente o medo e o stress a que elas são sujeitas.


Uma sociedade mais vincadamente pró-social permite a esperança numa inversão do crescimento acentuado das doenças mentais que se tem vindo a observar nas últimas décadas.

sexta-feira, outubro 07, 2016

Precisamos de novas abordagens para os problemas das pessoas na atualidade?

Nas últimas dezenas de anos, o mundo tem mudado de forma marcada. E de modo francamente visível no mundo ocidental, com avanços positivos absolutamente fantásticos ao nível das tecnologias. O que não tem mudado de forma igualmente positiva são as relações entre as pessoas, nomeadamente na família.

Na verdade, desde tempos imemoriais tem sido tão comum sabermos de conflitos, abusos e negligências em famílias que eles nos parecem praticamente inevitáveis. Poderão as tecnologias derivadas da ciência do comportamento humano fazer algo para mudar este estado de coisas?

Bom, por si sós talvez não: para fazer diminuir o stress que é colocado em tantas pessoas, famílias e escolas, não basta atuar sobre estas. É igualmente necessário promover mudanças ao nível das organizações e dos governos pois que, no fundo, estão na origem de muita dessa pressão. É verdade que os avanços no mundo tecnológico, apesar das promessas que transmitem, não têm ajudado. Sim, vivemos mais confortavelmente mas, apesar de tudo, mais infelizes.

Uma das razões talvez esteja numa perspetiva que nos faz procurar as causas do mal-estar e arranjarmos maneiras de o afastar. Talvez precisemos de uma outra perspetiva, em que olhemos para cada fenómeno, não isolando as suas causas, mas percebendo-o no seu contexto e determinando a função que desempenha nesse contexto.

Com esse olhar, já não nos interessa se uma teoria é verdadeira ou não (por mais brilhante que ela seja) mas, sim, se essa teoria aplicada na prática provoca transformações úteis ou não. Ela pode ser verdadeira e a sua aplicação, em certos contextos, ser totalmente catastrófica.

A utilidade de uma teoria, então, pressupõe que a avaliemos em função de determinados valores e objetivos claramente definidos.

Vejamos o exemplo das teorias que privilegiam a competição em detrimento da cooperação. Observa-se no mundo natural que são os sistemas que cooperam, sejam eles genes, células, pessoas ou grupos de pessoas, aqueles que maior probabilidade têm de sobreviver e de se reproduzir.

Pensemos em quem não segue esta orientação: células que se reproduzem sem consideração pelo organismo (cancro). Pessoas que perseguem a satisfação exclusivamente dos seus interesses sem consideração pelos efeitos que o seu comportamento anti-social tem sobre os outros. Organizações que procuram a maximização do seu lucro, sem consideração pelos prejuízos que provocam nas pessoas, grupos, nações e ambiente natural (é estranho: para que é que as pessoas querem lucros astronómicos num mundo destruído ou a ficar destruído para os seus descendentes?)

A competição é natural no ser humano? Pode-se discutir. Mas sabe-se que os bebés, na ausência de pressões, escolhem a cooperação, para si e nos outros, e não a competição…

Sim, o mundo de hoje exige uma outra forma de abordar os problemas. E a ciência do comportamento humano já tem dados suficientemente sólidos e comprovados para poder oferecer essa visão alternativa.

sábado, outubro 01, 2016

Uma possibilidade de mudar efetivamente o Mundo, o nosso Mundo

O que há de comum nas intervenções bem sucedidas ao nível da prevenção pública de problemas psicológicos e comportamentais?

Acima de tudo, a preocupação de tornar os ambientes em que as pessoas se movem mais enriquecedores e benéficos. Pois são estes ambientes que criam sociedades mais saudáveis e mais felizes. E é a ausência destes ambientes que estão na origem daqueles problemas.

Como o conseguir? Começando por minimizar o conflito nesses ambientes, ensinando-se as pessoas a favorecerem o bem-estar e o desenvolvimento pessoal umas das outras.

E de que ambientes estamos a falar? Quais são queles que mais contribuem para a construção de um mundo prossocial (onde os comportamentos das pessoas visam beneficiar os outros de modo voluntário)? A resposta é: as famílias e as escolas.

Procura-se, então, convencer as escolas e as famílias a reforçarem convictamente as crianças que se ajudam mutuamente e que participam na melhoria das suas escolas e comunidades. A estabelecerem limites às oportunidades das crianças receberem influências que as possam envolver em comportamentos problemáticos. A encorajar as crianças a seguirem os valores que elas mais prezam, mesmo face a obstáculos significativos, que incluem aqueles que são mais de natureza psicológica.

E, assim, talvez em breve seja tão impensável uma criança ser maltratada como é hoje impensável alguém fumar dentro de um edifício público. Fomos capazes de mudar isto, seremos capazes de mudar aquilo.

Depois, podemos esperar que uma sociedade, onde as pessoas cooperem e cuidem umas das outras, dê origem a empresas, organizações e governos que trabalhem eficazmente para o bem comum. Que defendam as políticas que sejam efetivamente úteis para a maioria das pessoas – se não forem úteis, devem ser rejeitadas, pura e simplesmente, mesmo que pareçam verdadeiras. Porque a “verdade”, no nosso país, deu origem à sociedade europeia com mais elevado nível de desigualdade económica – dentro das sociedades desenvolvidas apenas somos ultrapassados pelos EUA.

Finalmente, para nos ajudarem e acompanharem, aí estão as ciências biológicas e comportamentais a convergir nas suas descobertas acerca do que os seres humanos necessitam para prosperarem; e no que leva tantas pessoas a desenvolver problemas psicológicos, comportamentais e de saúde, a fim de lhe fazer frente de modo eficaz.