sexta-feira, junho 16, 2006

Dever

Para ser generoso com o amor que alguns me dedicam, e não ingrato, tenho a obrigação moral de não me desconsiderar seja de que forma for.

2 comentários:

soledade disse...

Concordo, do coração, com o escreveste. Válido na vida pessoal como na profissional. E se circunscrevo o meu comentário (a tua entrada tem uma amplitude muito maior que a da auto-estima profissional) foi porque li
um comentário teu, num outro blogue. Falavas de desânimo. Como te entendo. Por isso vim conhecer o teu canto, de que gostei muito. E dizer o que há 30 minutos uma ex-aluna me dizia: «Coragem»!

Rui disse...

Obrigado, Soledade, pelas tuas palavras, tão simpáticas que me deixam embaraçado! Ainda bem que gostas!