sábado, fevereiro 13, 2010

Iracema, de José de Alencar

Do Clube de Leitura da Biblioteca Municipal de Loulé.

Uma história simples, com valores claros, sempre envolta num perfume de melancolia e de poesia.

Um livro anterior à perda da inocência; que, por isso, soube bem ler: a criança dentro de mim, aquela que gosta de se encantar com o inverosímil (a história é inverosímil), ainda está bem viva.

Sabemos hoje que quem mente, quem rouba e quem maltrata tem mais sucesso social e profissional do que aqueles que lutam por serem verdadeiros, honestos e compassivos. Não é uma característica dos tempos modernos, sempre foi assim.
Quer dizer que todos os bem sucedidos são pessoas infames? Eu não pertenço, nem provavelmente pertencerei nunca ao número dos bem sucedidos nessas duas áreas, por isso não posso responder baseado na minha própria experiência.
Mas quando penso em Gandhi, ou em Martin Luther King, ou ainda em Nelson Mandela, acredito que é possivel ser-se bem sucedido e ser-se boa pessoa. Mas deduzo, aliás sei que, para o conseguir sem concessões, é preciso uma fibra moral e uma coragem extraordinárias. E uma grande (inquebrantável, mesmo) teimosia, também, tenho quase a certeza disso... e, a propósito, vem-me ao espírito o filme de Clint Eastwood, Invictus, sobre Nelson Mandela (que eu gostei mesmo de ver):

2 comentários:

Edson Marques disse...

Excelente o teu blog!

Abraços!

Rui disse...

Obrigado.