quinta-feira, julho 06, 2006

No amor

1. O corpo: o olhar, o sorriso, a voz, o gesto - isto é, o espírito a atravessar a matéria.
2. O corpo nu: ou seja, a pele, já não apenas (entre)vista, mas sentida e tacteada.
3. O corpo que se possui: a sede infindável do outro.

3 comentários:

Bazuca disse...

"o corpo que se possui" é o ADN activado clamando pela propagação da espécie... :)

Rui disse...

Também, também, cara Bazuca!
Mas, se fosse só isso, a sede infindável de que falo seria sentida em relação a qualquer corpo que desse boas indicações de servir para a "propagação da espécie"! E isto não acontece, não é verdade? :))

Bazuca disse...

Pois não, caro Rui... a sede infindável tem de ser satisfeita, daí que no universo em que nos movemos há sempre alguem que nos atrai...mais! Quando já não há termo comparativo...encontra-se o AMOR! o diabo é que anos mais tarde...afinal encontramos especimenes mais a nosso gosto...and so on. Senão...como explicar a infidelidade?! Viver é TÃO dificil!!! :)